LISBON BRASS - CiRAC
16503
page-template-default,page,page-id-16503,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-11.2,qode-theme-bridge | shared by vestathemes.com,wpb-js-composer js-comp-ver-5.2.1,vc_responsive

LISBON BRASS

Lisbon Brass é um grupo formado por cinco músicos unidos pela amizade e musicalidade. A amizade que cresceu nos intervalos de muitos anos de trabalho na Orquestra Sinfónica Portuguesa entre óperas, bailados e concertos.

A musicalidade que se atinge no elevado nível individual, na cumplicidade do trabalho em grupo e no gosto artístico fundamentais ao desafio da interpretação da Música de Câmara.

Dar a conhecer a um vasto público o reportório específico para quinteto de metais é o principal objetivo. Do virtuosismo da Música Barroca ao experimentalismo da Nova Música a abordagem necessária para um resultado de grande qualidade musical e atitude artística.

Paralelamente ensinar os jovens músicos em residências e masterclasses elevando o seu nível técnico e artístico e incentivar os compositores nacionais e estrangeiros à criação de novo reportório específico. Deste modo intervir culturalmente nas comunidades e conquistar novos públicos.

 

JORGE ALMEIDA – TROMPETE

 

Nascido a 29 de agosto de 1971, natural de Santa Maria da Feira, Portugal, Jorge Almeida iniciou os seus estudos musicais aos onze anos de idade, no Conservatório de Música de São João da Madeira, tendo como professores, Fernando Baptista e José Macedo, instrumentistas da antiga Orquestra da Rádio Difusão Portuguesa. Durante este período foi-lhe atribuída uma bolsa de estudos pela Fundação Calouste Gulbenkian. Em 1987, ganhou o primeiro prémio para jovens solistas,  a nível médio, no concurso Juventude Musical Portuguesa. Terminou o 8º Grau de Trompete obtendo a classificação de 18 Valores.

Em 1995, iniciou os seus estudos Superiores na Academia Nacional Superior de Orquestra, no Curso Superior de Instrumentistas de Orquestra, tendo como professores em performance Douglas Stephenson, David Burt, Robert Chambers III e Philip Navat. Na Orquestra Metropolitana de Lisboa, ocupou temporariamente o lugar de Solista B, vindo mais tarde a ganhar o lugar de Solista A, (chefe de Naipe) por concurso Internacional. Em 1998, ganhou o concurso  para o lugar de Trompetista, solista A, na Orquestra Sinfónica Portuguesa do Teatro Nacional de S. Carlos, fazendo até à data, parte integrante da mesma formação como coordenador de naipe. Em paralelo com a atividade de Instrumentista de Orquestra, desenvolve também, atividades Pedagógicas do Instrumento na Universidade de Aveiro, tendo ainda lecionado desde 1999, na Academia de Música de Paredes, Escola Profissional de Música de Espinho e Instituto Piaget de Almada.

Paralelamente tem desenvolvido uma carreira como Solista, destacando-se nos mais diversos géneros e estilos musicais, nomeadamente no Clássico, Contemporâneo, Jazz e Pop. Realizou concertos como solista com as seguintes orquestras: Orquestra Sinfónica Portuguesa, Filarmónica das Beiras, Clássica da Madeira,  Orquestra Sinfónica da Universidade de Tatuí do Estado de São Paulo, Banda Sinfónica Portuguesa, Orchestrutopica e em recital com Piano, nas mais diversas salas nacionais bem como em diversos Países: Espanha, França, Alemanha e Japão. Relativamente ao jazz destaca-se o projeto de originais de Marco Barroso com os LUME, cujo primeiro trabalho discográfico foi considerado o melhor disco de originais do ano.

No campo de acontecimentos de destaque na sua carreira, sublinha-se a sua presença como convidado na 2ª conferência Internacional de trompetistas ABT Brasil, Presidente do Júri Internacional do concurso para quintetos de Metais decorrido em Madrid, Congresso de Afañir Sevilha, Conferência na Universidade de Córdoba (Brasil), Conservatório Superior de Madrid. Fez parte do projeto Amazónia para a “Múnchener Biennale” (Alemanha). Fez parte do júri para o concurso de músicos à Orquestra Estúdio (Guimarães Capital Europeia da Cultura 2012) e tocou a Solo com esta mesma Orquestra durante a  programação do festival. É artista Internacional YAMAHA, tendo sido convidado a participar em concertos e conferências em parceria com grandes nomes do trompete como: Alen Vizutti, Rex Richardson, Gabriel Cassone, Adam Rapa entre muitos outros.

 

ANTÓNIO QUITALO – TROMPETE

 

António Quítalo iniciou os seus estudos musicais com 5 anos de idade na Sociedade Filarmónica Humanitária em Palmela. Foram seus professores José Augusto Carneiro, Kevin Wauldrom e Steven Mason. Foi 1º premiado nos mais prestigiados concursos Nacionais – Juventude Musical Portuguesa (1988) e Prémio Jovens Músicos (1989). Foi o representante Português no V Prémio Eurovisão para jovens solistas realizado em Viena (1990) e no “European Competition for Young Musicians”, em Londres (1991).

Foi convidado a integrar o painel de jurados nas edições do Prémio Jovens Músicos de 2008, 2010 e 2012. Foi convidado a ministrar Masterclasses de Trompete na 29º e na 32º Oficina de Música de Curitiba, Brasil, considerado o evento musical mais importante da América do Sul. Frequentou masterclasses com os seguintes Trompetistas: Allen Vizzutti, Philip Smith, Thomas Stevens, Rod Franks, Paul Merkelo, John Miller, Bruno Nouvion, Carole Dawn Reinhart, Steve Mason, Bo Nilsson, Jeroen Berwaerts, Per Ivarsson, Nenad Markovic, Fruzsina Hara,Thomas Hooten, David Hickman,Michael Sachs,Barbara Butler,Mark Inouye,Christopher Martin.

É convidado regularmente a realizar palestras e Masterclasses a nível nacional sobre a temática do instrumento/instrumentista.

Participou na palestra sobre a temática da respiração no primeiro festival internacional de Trompetistas organizado em abril de 2012 pelo grupo Almost 6.
Atuou como solista em vários países tais como Áustria, Suíça, Alemanha, Inglaterra, França, Espanha, Holanda, Cabo Verde, Brasil e Portugal.

Os compositores António Pinho Vargas (Grafitti – just forms) e José Júlio Lopes (Videowall) escreveram obras que lhe são dedicadas.

Licenciado pelo Instituto Politécnico de Castelo Branco é, atualmente, professor de Trompete e Música de Câmara na Escola Superior de Artes Aplicadas (ESART) do Instituto Politécnico de Castelo Branco, Trompetista da OrchestrUtopica, Trompetista no agrupamento de Música Barroca Divino Sospiro e professor da cadeira de Orquestra Clássica no Conservatório Regional de Palmela.
É desde 1993 1º Trompete Solista na Orquestra Sinfónica Portuguesa do Teatro Nacional de S. Carlos. Detentor do título de especialista na área de instrumento/Trompete.

 

PAULO GUERREIRO – TROMPA

 

Natural de Loulé, Licenciado em Trompa pela ESART, detentor do Título de Especialista em Trompa, ocupa atualmente a posição de primeiro Trompa Solista da Orquestra Sinfónica Portuguesa e é membro da Orquestra Barroca Divino Sospiro. Estudou com os Professores António Costa e Jonathan Luxton na Escola de Música do Conservatório Nacional e na Escola Superior de Música respetivamente. Em 1990, foi membro efetivo da Orquestra de Jovens da Comunidade Europeia.

É membro do Quinteto Flamen, com o qual já participou em diversos concertos pelo País e no Festival Internacional de Música de Macau e da Orchestrutópica.

Lecionou as classes de Trompa e Música de Câmara na Escola Profissional de Música de Almada, onde foi coordenador dos Cursos de Instrumento, Música de Câmara e Música e Novas Tecnologias. Ministrou as classes de Trompa e Música de Câmara durante 5 anos nos Cursos de Música de Loures, tendo também juntamente com os restantes elementos do naipe de Trompas da O.S.P., numa iniciativa inédita entre nós feito uma Masterclass na Escola Profissional de Música de Almada onde se trabalharam todos os instrumentos da família da Trompa, “Trompa Natural, Tuba Wagneriana e Trompa de Harmonia”.

Masterclass de Trompa, em Castelo Branco na Escola Superior de Artes Aplicadas em março de 2009, na Escola Profissional de Artes da Beira interior (Covilhã) em maio 2009 e no primeiro congresso de Trompas realizado na Casa da Música no Porto em 2008.

Entre 2000 a 2012 foi Professor de Trompa e Música de Câmara na Licenciatura em Música do Instituo Jean Piaget em Almada e Mestrado em Instrumento.

Atualmente leciona Trompa na Escola Superior de Artes em Castelo Branco (ESART) e na Escola Superior de Música em Lisboa (ESML).

 

JARRETT BUTLER – TROMBONE

 

Nasceu em Mansfield (perto de Nottingham – Inglaterra) em 1968 e começou a tocar trombone numa brass band local aos doze anos de idade. Foi membro da Orquestra Nacional de Jovens do seu país de origem durante vários anos. É ex-Primeiro Trombone da famosa Grimethorpe Colliery Brass Band.  Aos 18 anos prosseguiu os estudos no Royal Northern College Of Music (Manchester) onde estudou com Peter Gane, Andrew Berryman e Christopher Houlding.

É atualmente e desde 1993 Primeiro Trombonista na Orquestra Sinfónica Portuguesa (Solista A). Trabalhou regularmente em Portugal com a Orquestra Gulbenkian e a Orquestra Nacional do Porto. Foi Professor de Trombone e Música de Câmara de Academia Nacional Superior de Orquestra e Professor convidado no Instituto Piaget (Viseu) e do Euphónio na Universidade de Évora. Atualmente é também Professor de Trombone na Universidade de Aveiro. Trabalhou com muitas orquestras inglesas incluindo o Hallé Orchestra, City of Birmingham Symphony Orchestra, BBC National Orchestra of Wales, Opera North e a Scottish Opera. Foi membro fundador do Ensemble Português de Trombones e Ensemble Português de Metais. É regularmente convidado para dar Masterclasses em Portugal e Inglaterra. Também toca Euphónio, Trompete Baixo e Sacabuxa.

 

ILÍDIO MASSACOTE – TUBA

 

Nasceu no Montijo, começou a estudar Tuba aos 17 anos de idade e um ano mais tarde ingressa na Banda da Guarda Nacional Republicana. Estudou no Conservatório Nacional de Música de Lisboa, com os Professores António Lages e José Augusto Carneiro. Em 1993, concorreu e ganhou uma bolsa de estudo da Fundação Calouste Gulbenkian, que lhe permitiu estudar em Paris durante dois anos com os Professores Gérard Buquet e Philip Légris. Em 1993, frequentou uma masterclass na ESMD de Paris com os Professores Gérard Buquet e Bennny Sluchin; 1994 um Estágio de Verão em Montpellier com os Professores Jacques Dropsy e Gérard Buquet; 1996 uma masterclass com o Professor Michael Lind; 1997 e 1998 uma masterclass com o Professor Phillip Légris; 2002 uma masterclass com o Professor Eugene Pokorni; 2003 um uma masterclass com o Professor Walter Hilgers. Fez parte da Orquestra Portuguesa da Juventude por concurso e também ficou na reserva para a Orquestra da CEE, tem colaborado como freelancer desde 1984 com as seguintes Orquestras: Orquestra da RDP; Nova Filarmonia Portuguesa; Régie Sinfonia (já extintas); Orquestra da Silésia (Katowice – Polónia); Sinfonia Varsóvia; Nacional do Porto; Sinfonieta de Lisboa; Orquestra Metropolitana; Orquestra Sinfónica Portuguesa; Orquestra Gulbenkian, onde foi tubista principal convidado de 1987 a 2000, com a qual gravou vários CD’s, e fez várias digressões de onde se destacam: Paris, Viena de Áustria, Colónia, Munique, Dusseldorf e Estados Unidos da América. Nas Orquestras onde trabalhou teve sempre vários elogios públicos  de Maestros, Colegas e Solistas, como Michael Zilm, Max Rabinovitsj, Boris Belkin, Max Valdés, Silva Pereira, Muhai Tang, Richard Hicoks, José Ramon Encinar, Gérard Buquet, Fernando Eldoro, Alejandro Oliva; Vitorino de Almeida, Emanuel Nunes, Júlia Jones, Emiliano Pomárico, etc. Gravou com o Maestro Vitorino D´Almeida uma peça do mesmo para Tuba e Flautim Solo, editado em CD.

Em 1992, fez a primeira audição em Portugal do Concerto para Tuba e Orquestra de Ralph Vaughan Williams na Aula Magna de Lisboa, voltando  a executá-lo em 1995 com a Banda da Guarda Nacional Republicana, em 1998 executou  o Concerto para Tuba e Orquestra de Edward Gregson com a mesma,   fez também as Integrais  de Hindemith na Culturgest. Foi membro fundador do Quinteto de Metais Hot Brass de Portugal, Decateto Português de Metais e da Associação portuguesa de Percussionistas e Instrumentistas de Sopro. No período em que estudou em Paris, trabalhou com a Orquestra da Cidade Universitária e acompanhou de perto o trabalho desenvolvido pelo Ensemble Intercontemporâneo e Ensemble Modern de Frankfurt onde teve o privilégio de assistir a muitos ensaios com o Maestro “Pierre Boulez”, e Silvain Crambreling derivado a Gérard Buquet ser o coordenador dos metais Ensemble Intercontemporâneo.

Em 1993, num Concurso Internacional para a Orquestra Sinfónica Portuguesa ganhou o lugar de Tuba Solista A, não tendo aceite o lugar, para poder prosseguir os seus estudos em Paris. Em 1999, ganhou o lugar de Solista A, para a vaga provisória da Orquestra Sinfónica Portuguesa, tendo em 2001 num Concurso Internacional ganho o lugar de Tuba Solista A por unanimidade. De 1996 a 2001 leccionou no Conservatório Nacional de Música de Lisboa; de 1996 a 1998 na Academia Superior de Orquestra no primeiro curso com equivalência a licenciatura; de 1997 a 2007 leccionou na Escola Profissional de Música de Espinho; de 1998 a 2002 leccionou na Escola Profissional de Música e Artes de Almada, na cadeira de Tuba e de Música de Câmara; de 2003 a 2007 no Instituto Piaget de Almada; actualmente é Professor de Tuba e Música de Câmara na ESART Instituto Politécnico de Castelo Branco, na Universidade de Évora e Director Pedagógico no Conservatório Regional de Artes do Montijo, e Tuba Solista A na Orquestra Sinfónica Portuguesa/Teatro Nacional São Carlos.

PROGRAMA DE CONCERTO LISBON BRASS COM RICHARD BUCKLEY


Claudio Monteverdi (1567-1643) – Vespers 1610

 

Samuel Scheidt (1587-1654)

Battle Suite

Galliard Battaglia

 

Alexander Arutiunian (1920-2012)

Armenian Scenes

I – Morning Song

II – Drinking Song

III – Song of Grief

IV – Wedding Procession

 

Leonard Bernstein (1918-1990)

West Side Story

  1. Prologue
  2. Something’s comin’
  3. Maria
  4. Tonight
  5. Somewhere
  6. I FeelPretty
  7. America

 

Richard Roblee (1943-      )

American Images – Blues

 

Jarrett Butler ( 1968 –     )

A Lisbon Portrait (tema dedicado aos Lisbon Brass)

I – O Rio Tejo

II – O  Som de Lisboa

III – Marcha não popular

 

Astor Piazzola (1921-1992)

Libertango – arranjo de Jarrett Butler

 

Lew Pollack (1895-1946)

That’s a Plenty

 

La Virgen de Macarena – arranjo de Jarrett Butler

O CiRAC está ao seu dispor para esclarecer qualquer dúvida.