Missa da Coroação - CiRAC
16941
page-template-default,page,page-id-16941,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-11.2,qode-theme-bridge | shared by vestathemes.com,wpb-js-composer js-comp-ver-5.2.1,vc_responsive

Missa da Coroação

ORQUESTRA DE JOVENS DA FEIRA

 

O projeto da Orquestra e Banda Sinfónica de Jovens de Santa Maria da Feira surgiu em 1994, reunindo os jovens músicos do Concelho para “Estágios de Verão”.

 

A partir de 1997, resultado do esforço conjunto da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira e das escolas oficiais de música do Concelho, este projeto adquiriu um carácter mais permanente, nomeadamente com a sua formação de Orquestra.

 

A direção artística do projeto ficou, então, sob a alçada do Maestro Osvaldo Ferreira que, de 1997 até 2004, foi o principal responsável pela implementação e desenvolvimento deste projeto musical.

 

Em 1998 foi criada uma nova formação musical, a Banda Sinfónica, tendo sido convidado para integrar a direção deste projeto o professor Paulo Martins, que, desde 1998 até 2004, assumiu as funções de Maestro Assistente da Orquestra e Banda Sinfónica de Jovens de Santa Maria da Feira.

 

No ano de 2004 a Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, juntou-se ao Conservatório de Música de Fornos, às Academias de Música de Santa Maria da Feira e de Paços de Brandão e às Bandas Filarmónicas do Concelho, para formalizarem a constituição da Associação Orquestra e Banda Sinfónica de Jovens de Santa Maria da Feira, cujo propósito é o desenvolvimento da música no Concelho de Santa Maria da Feira e a gestão artística deste projeto.

 

Enquanto projeto musical, a Orquestra e Banda Sinfónica de Jovens de Santa Maria da Feira, contou, desde o início, com a experiência formativa de diversos maestros nacionais e estrangeiros, tais como: Carlos Fontes, Leonardo Barros, Ivo Cruz, Sokhiev Tugan, Joana Carneiro, Cesário Costa, Ernest Schelle, José Pascual Vilaplana e Jan Cober, António Saiote, Teodoro Aparício Barberán, Rafael Garrigos.  Actualmente a direção artística do projeto está sob a responsabilidade do Maestro Paulo Martins.

 

Mercê da sua qualidade artística este projeto musical e cultural tem conseguido angariar apoios a nível institucional, através do Ministério da Cultura, do Instituto das Artes e da Delegação Regional de Cultura do Norte e da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira.​

 

PAULO MARTINS – MAESTRO

 

Teve como primeiro instrumento o Saxofone, concluindo o curso complementar no Conservatório de Música do Porto com as mais altas classificações.

 

Prosseguiu os seus estudos em Fagote com o professor Hugues Kesteman, ingressando posteriormente na Escola Superior de Música e das Artes do Espetáculo (ESMAE), onde obteve a licenciatura em instrumentista (Fagote), tendo sido atribuído o Prémio da Fundação Engenheiro António de Almeida por ter concluído a licenciatura bietápica em instrumento (Fagote) com a mais elevada classificação no ano letivo 2000/2001.

 

Em 2001 continua os seus estudos de fagote na Alemanha onde concluiu, em 2004, o curso de solista  – DKA (Diplom Künstlerische Ausbildung – Fagote) e o mestrado em performance  – Konzert Examen, na classe do Prof. Gunter Pfitzenmaier, na “Hochschule für Musik Karlsruhe” (Alemanha), ambos com a máxima classificação, e como prémio gravou o concerto de Mozart com a Orquestra de Câmara da mesma escola.

 

Trabalhou ainda com outros fagotistas tais como: Gunter Pfitzenmaier, Sérgio Azzollini, Milan Turkovic, Pierre Kerremans, Robert Glazburn, Arlindo Silva, entre outros. Foi premiado em diversos concursos, nomeadamente “Juventude Musical Portuguesa”, “Jovens talentos dos CTT”, “Concurso do Conservatório de Música do Porto”, e “Concurso de Jovens dos Distritos de Coimbra e Aveiro”.

 

Apresentou-se a solo com a Orquestra e Banda de Jovens de Santa Maria da Feira, Orquestra Sinfonieta, Orquestra ARTAVE e Orquestra de Câmara da Staatliche Hoschule für Musik Karlsruhe (Alemanha) e integrou várias Orquestras entre outras: Orquestra Nacional do Porto, Orquestra Filarmonia das Beiras, Orquestra Sinfonieta, Orquestra Sinfónica da Póvoa do Varzim, Orquestra de Jovens do Concelho de Santa Maria da Feira, Orquestra Sinenomine, Orquestra Regional de Braga, Orquestra de Jazz do Porto, Orquestra das Escolas Particulares, Orquestra do Conservatório Regional de Gaia, Grupo de Instrumentos de Sopro de Coimbra, tendo atuado por todo o país, em Espanha, França, Bélgica, Macau e Alemanha. Orientou masterclasses no “IV Curso Internacional” da escola ARTAVE, no “VI festival de música das terras de Santa Maria”, e no Instituto Piaget, apresentando-se igualmente em concerto.

 

Faz trabalho regular de produção para a editora discográfica NUMÉRICA.

 

Estudou direção de orquestra com o maestro Osvaldo Ferreira e fez masterclasse em direção de orquestra e música de câmara com o maestro Ernest Schelle, e Eugene Corporon. Em 2007, obteve o mestrado em direção com o conceituado maestro Jan Cober no Conservatório de Maastricht (Holanda).

 

Como maestro, foi premiado no “Certamen Internacional de Bandas de Música de Valencia” em 2002, 2005 e 2011, no “Certamen Internacional de Bandas de Música Vila d’Altea” em 2006 e 2007, e no “Concurso Internacional de Bandas – Ateneu Vilafranquense” em 2008 e 2012. Teve ainda a oportunidade de dirigir algumas orquestras tais como: Orquestra de Sopros da Academia de Música de Castelo de Paiva, Orquestra do Salão Jardim Passos Manuel do Coliseu do Porto, Orquestra Raízes Ibéricas, Banda Sinfónica de Alaquas (Valência), Banda Sinfónica do Conservatório de Música de Aveiro, Orquestra de Sopros da Escola Profissional de Música de Viana do Castelo, Banda Filarmónica de Ansede, Orquestra Clássica do Instituto Piaget e a Banda da Guarda Nacional Republicana de Lisboa (GNR).

 

Integrou o júri do concurso “Prémio Jovens Músicos” da RDP, do “ I Certame Nacional de Bandas de Música D’Almàssera” (Valência), do conceituado “Certamen Internacional de Bandas de Música  – Cidade de Valência”, e foi Diretor Artístico do “Concurso Nacional de Bandas Filarmónicas Cidade de Aveiro”.

 

É professor no Conservatório de Música de Aveiro de Calouste Gulbenkian, no ISEIT – Instituto Superior de Estudos Interculturais e Transdisciplinares (Viseu) e Diretor Artístico da Orquestra e Banda Sinfónica de Jovens do Concelho de Santa Maria da Feira e da Banda Filarmónica ARMAB.

CORO DO CIRAC – CÍRCULO DE RECREIO ARTE E CULTURA

 

O Coro do CiRAC tem sede em Paços de Brandão, Concelho de Santa Maria da Feira, Distrito de Aveiro.

 

Foi formalmente fundado em 1976 e tem desenvolvido uma atividade musical Litúrgico-profana, com uma incursão por estilos musicais muito diversificados e arrojados.

 

A direção musical do Coro esteve a cargo, desde a sua formação, dos maestros Mário Anacleto (um dos fundadores do coro e do CiRAC), Emanuel André Melo, Silvina Tavares, José Resende, Georgina Teixeira. Atualmente é seu diretor musical o maestro Ernesto Coelho.

 

Esteve presente em diversos encontros de coros, do Norte ao Sul do país.

 

Participou em concertos em Aveiro, Viseu, Coimbra, Évora, Montemor-o-Novo, Faro, Porto, Lisboa, Ovar, Santa Maria da Feira, e em muitas outras localidades.

 

Tem participado, desde a sua primeira edição, no Festival Internacional de Música de Verão | Paços de Brandão (originalmente designado Festival de Música de Verão) que já conta com 40 edições ininterruptas.

 

Factos marcantes dos últimos anos:

 

1985 – Foi o brilhante vencedor do concurso Distrital de Coros Amadores do Distrito de Aveiro, tendo vencido todas as eliminatórias;

 

– Participou no XIII Festival Galaico-Português de Polifonia e Canto Coral de Carballiño, em Orense – Espanha, representando Portugal e tendo recebido excelentes críticas pela sua participação;

 

1986 – Foi um dos finalistas do Concurso Nacional “Novos Valores da Cultura”;

 

1987 – Estreou o “Glória” de Vivaldi”;

 

1988 – Interpretou a Oratória “Jephte” de Carissimi,

 

1997 – Atuou, com enorme êxito, na X Mostra da Canção Coral de Valdoviño, na Corunha, recebendo, desde então, vários convites para regressar à Galiza.

 

-A convite da Editora Public-Art, participou na gravação de um CD, com o título genérico “Os Melhores Coros da Região Norte – Douro Litoral Sul”.

 

2005 – Participou, em conjunto com outros grupos corais, de Santa Maria da Feira, na “Cantata ao Mártir São Sebastião”, por ocasião dos 500 anos da Festa das Fogaceiras;

 

2006 – Sob a direção do atual maestro, Ernesto Coelho, apresentou excertos do musical “Jesus Christ Superstar” de Andrew Lloyd Webber;

 

– Nas Comemorações do 30.º Aniversário do CiRAC, deu voz ao hino desta associação, produzido sob a responsabilidade artística do conhecido músico Nuno Feist.

 

– Em 2005 e 2006 foi o Grupo Coral selecionado para representar o distrito de Aveiro num projeto musical desenvolvido pelo INATEL, intitulado “Canções do Nosso Tempo”, tendo-se apresentado em Viseu e também no Montijo, no Cineteatro Joaquim de Almeida;

 

2007 – Interpretou, na íntegra, a obra “Carmina Burana” de Carl Orff.

 

2008 – Participou no conceituado Concorso Corale Internazionale Citá di Rimini – Itália, sendo o único representante português e tendo alcançado o 4º lugar, entre cerca de 30 grupos corais provenientes da América Central, África, Ásia, e de toda a Europa, com grande predominância de coros dos Países de Leste, os quais detêm uma qualidade coral acima da média.

MAESTRO ERNESTO COELHO

Natural do Porto, iniciou estudos de piano aos 7 anos de idade com o Professor César de Morais. Completou o curso complementar de Piano na Academia de Música de Vilar do Paraíso. Frequentou o curso de composição de Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo. Licenciou-se em Direção musical (coro e orquestra) no Conservatório Superior de Música de Gaia. Concluiu o Mestrado em Teatro Musical na Universidade de Sheffield, Inglaterra. Fez uma pós-graduação em gestão cultural e produção de espetáculos na Universidade Lusófona.

 

Lecionou na Academia de Música de Vilar do Paraíso as disciplinas de formação musical e classe de conjunto, tendo tido a seu cargo a direção musical do coro e orquestra juvenil. Foi responsável pelas produções de teatro-musical do Grupo de Artes Performativas dessa instituição tendo dirigido os musicais Jesus Christ Superstar, The Lion King e Grease, no âmbito de um projeto pioneiro em Portugal.

 

Dirigiu, em projetos pontuais, grupos corais nas empresas Ecco, Valsan e Ambar e, por vários anos, os Coros da Associação Recreativa e Cultural de Serzedo e Legião da Boa Vontade.

 

Foi produtor e diretor musical de várias produções profissionais como Disney’s Alladin, José e o Deslumbrante Manto de Mil Cores e Footloose- o musical.

 

Trabalhou como preparador vocal e compositor com o TEP – Teatro Experimental do Porto na peça A Lenda De Gaia.

 

Fez parte da direção de algumas edições dos Festivais Internacionais de Música Para Jovens de Gaia.

 

Em 2010 foi convidado para diretor musical de uma produção de Mamma Mia- o musical apresentado pela Academia José Atalaya, no Teatro-cine de Fafe.

 

Foi maestro assistente no musical Annie, de Felipe La Feria.

 

Atualmente, Ernesto Coelho é maestro do Coro da Misericórdia de Póvoa de Lanhoso e do Coro do CIRAC.

 

É fundador e diretor artístico do Coro Génesis, um coro profissional.

 

Desde há vários anos, é pianista acompanhador de exames da Royal Academy of Dance.

 

Leciona também na ACE- Academia Contemporânea de Espetáculo sendo um dos professores responsáveis pelos projetos de teatro musical dos alunos finalistas.

 

Colabora com o Colégio Nª Sra. Do Rosário nos projetos de oficina de artes (área de música) dessa instituição.

 

Em 2011 foi maestro convidado da orquestra Filarmonia das Beiras, tendo dirigido vários espetáculos da opereta “O Mundo Maravilhoso d’A Bela e do Monstro” em diversas cidades.

 

Com a HYMNUS, a sua empresa de produções artísticas, Ernesto Coelho tem assumido a direção de diferentes tipos de produções culturais, destacando-se os espetáculos de Teatro Para Bebés e, em coprodução, o espetáculo “A Ilha Do Tesouro- o musical” que esteve em exibição no Teatro Rivoli, no Porto, em Dezembro de 2011.

O CiRAC está ao seu dispor para esclarecer qualquer dúvida.